Presidente da Comissão de Turismo e Meio Ambiente da Alesc
Presidente da Comissão de Turismo e Meio Ambiente da Alesc

Ivan Naatz afirma: Taxas de Preservação Ambiental, são franquias meramente arrecadatórias

Trata-se do melhor negócio do mundo; dinheiro garantido chova ou faça sol, com movimento ou sem movimento de veículos

“Trata-se do melhor negócio do mundo; dinheiro garantido chova ou faça sol, com movimento ou sem movimento de veículos”, afirma o presidente da Comissão de Turismo e Meio Ambiente da Alesc, deputado Ivan Naatz (PV) sobre a cobrança das TPAs – Taxas de Preservação Ambiental, que recomeça em Bombinhas a partir do dia 15 de novembro, e, antes, no dia 1 de novembro, quando também começa a vigorar no município de Governador Celso Ramos.

Autor da chamada "PEC dos Pedágios Urbanos”, uma Proposta de Emenda Constitucional que tramita na Alesc e deixa na claro na constituição estadual à proibição deste tipo de pedágio em área urbana, Naatz reafirma que a implantação da taxa em diversos municípios turísticos da região “está virando uma franquia, um verdadeiro negócio, meramente arrecadatório e que prejudica o direito constitucional de ir e vir das pessoas.”.

Arrecadação – O parlamentar acrescenta as duas empresas habilitadas para as cobranças são de Blumenau e integradas por pessoas ligadas ao meio político, inclusive um ex-vereador, que já tem condenações na área eleitoral.  Caso da empresa que venceu a licitação para cobrar a TPA em Governador Celso Ramos, a Insight Engenharia e Consultoria Ltda. O preço total a ser pago a empresa no período de arrecadação, de 1º de novembro deste ano até abril do ano que vem, será da ordem de R$ 8 milhões e 934 mil, independente do volume de arrecadação.

“É muito dinheiro, utilizando apenas uma máquina fotográfica, um software e um container, além de poucos funcionários. A comunidade regional deve se mobilizar contra mais este tipo de tributo que acaba prejudicando e inibindo a movimentação turística”, afirma Ivan Naatz, alertando que “a prática arrecadatória” pode se espalhar pelo estado já que mais municípios continuam estudando a possibilidade de implantar suas TPAs, caso de São Francisco do Sul, Itapoá, Laguna, Garopaba e até mesmo a Capital, Florianópolis, que debateu o assunto no mês passado na Câmara de Vereadores.  Após tramitar nas comissões da Alesc, a PEC contra os pedágios precisa do voto de 25 dos 40 deputados em plenário para ser aprovada e inserida na Constituição do Estado.

Fonte: Assessoria de Imprensa Deputado Ivan Naatz

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Notícias Relacionadas

Faça uma pesquisa​​

Ultimas notícias