Deputado Ivan Naatz (PL) – Relator da  CPI dos Respiradores e integrantes da CPI – (   Fábio Queiroz e Raffael do Prado -   Divulgação Agência Alesc)
Deputado Ivan Naatz (PL) – Relator da CPI dos Respiradores e integrantes da CPI – ( Fábio Queiroz e Raffael do Prado - Divulgação Agência Alesc)

CPI dos Respiradores aponta responsabilidade do Governador e mais 13 envolvidos

O relatório final da CPI dos Respiradores, aprovado por unanimidade, na noite desta terça-feira (18),  pelos deputados integrantes da Comissão Parlamentar de Inquérito apontou a responsabilidade do governador do Estado Carlos Moisés e encaminhou pedidos de investigação criminal e de improbidade administrativa para outras 13 pessoas envolvidas na polêmica compra de 200 respiradores, sem licitação e com pagamento antecipado de R$ 33 milhões feito pelo governo de Santa Catarina durante a pandemia do coronavírus, e que acabaram não sendo entregues.

O documento de 115 páginas será direcionado agora ao Ministério Público para a investigação criminal; Secretária de Estado da Administração para os crimes de natureza administrativa pública com relação aos servidores envolvidos; Mesa Diretora da Alesc para analisar possível crime de responsabilidade, o que poderá gerar novo pedido de impeachment; e para a Procuradoria Geral da República (PGR) também com relação ao foro privilegiado do governador em relação à possibilidade da prática de crime comum em processo fraudulento.  O Tribunal de Contas de SC (TCE-SC), e o Tribunal de Justiça de SC (TJ-SC) também receberão cópias do relatório.

Deputado Ivan Naatz (PL) – Relator da  CPI dos Respiradores

Conforme o relator da CPI, deputado Ivan Naatz (PL), o governador Carlos Moisés teria cometido crime de responsabilidade por omitir fatos à Comissão e retardar deliberações que lhe eram de sua competência e que poderiam ter evitado o dano aos cofres públicos. Um dos argumentos principais é de que o governador teria sido avisado sobre as cautelas e o risco do pagamento antecipado, inclusive pelo tribunal de Contas do Estado, mas mesmo assim não tomou as medidas de segurança necessárias para evitar a fraude. “Ao contrário,  ignorou contribuindo deliberadamente para a concretização da fraude por uma organização criminosa que agiu se aproveitando destas fragilidades”, observou Naatz.

Já em relação aos demais envolvidos, a CPI lista ao Ministério Público possíveis crimes de fraude em licitação, desvio de finalidade de verbas, enriquecimento ilícito, lavagem de dinheiro, peculato e constituição de organização criminosa.

Deputado Ivan Naatz (PL) – Relator da  CPI dos Respiradores e integrantes da CPI – (   Fábio Queiroz e Raffael do Prado –   Divulgação Agência Alesc)

OUTROS NOMES  – Foram apontados os nomes de César Augustus Martinez Thomaz Braga (advogado da Veigamed); Douglas Borba (ex-secretário da Casa Civil de SC); Fábio Deambrósio Guasti (empresário e médico ligado à Veigamed); Helton de Souza Zeferino (ex-secretário de Saúde de SC); Leandro Adriano de Barros (advogado que teria sido indicado por Borba para intermediar a negociação com a Veigamed); Márcia Regina Geremias Pauli (ex-Superintendente de Gestão Administrativa, responsável pelas compras da Secretaria de Saúde de SC); Pedro Nascimento de Araujo (sócio-proprietário da Veigamed); Rosemary Neves de Araújo (sócio-proprietária da Veigamed); Samuel de Brito Rodovalho (empresário e representante comercial que participou da negociação dos respiradores).

Além dos nove envolvidos, a CPI ainda pede a investigação de mais quatro pessoas, na qualidade de servidores, por outros atos lesivos à administração pública. André Motta Ribeiro, Carlos Charlie Campos Maia, Carlos Roberto Costa Júnior e José Florêncio da Rocha. “O governador e os servidores em questão não agiram de acordo com um dos princípios legais  mais exigidos da atividade administrativa que é o da eficiência nas ações e serviços prestados à sociedade, prejudicando desta forma o contribuinte e os cofres públicos”, observou o relator Ivan Naatz.

O documento final deverá conter ainda um pedido de ressarcimento aos cofres públicos por parte dos envolvidos após as investigações criminais, e sugestões de alterações legislativas para maior controle de licitações e compras públicas em situações de calamidade,  para que seja analisado tanto pelo legislativo estadual como pelo Congresso Nacional.

Ao destacar o trabalho dedicado e em equipe de todos os integrantes da Comissão Parlamentar de Inquérito, o deputado disse que “a CPI cumpriu sua missão fiscaliza tória político-administrativa do parlamento em relação ao poder executivo buscando ainda medidas corretivas e contribuindo para o exercício de cidadania do contribuinte”. Ivan Naatz qualificou ainda a CPI como histórica e destacou também como ponto positivo a grande participação e acompanhamento da sociedade pela Internet e meios de comunicação durante as 22 reuniões, nas quais foram tomados 32 depoimentos, além da apreciação de 49 requerimentos sobre a convocação de testemunhas e solicitação de documentos e informações. Ao todo, a comissão reuniu 13 volumes de documentos, totalizando quase 3 mil páginas.

Fonte: Assessoria de Imprensa Deputado Estadual Ivan Naatz

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Notícias Relacionadas

Faça uma pesquisa​​

Ultimas notícias