Jorginho Mello quer reconhecer Florianópolis como a Capital Nacional da Nanotecnologia/Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Jorginho Mello quer reconhecer Florianópolis como a Capital Nacional da Nanotecnologia/Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Projeto de lei institui o Marco Legal da Nanotecnologia

Mais da metade das empresas de nanotecnologia no Brasil estão fixadas em Santa Catarina

O projeto de lei, de autoria do senador Jorginho Mello (PR), quer instituir o Marco Legal da Nanotecnologia no Brasil. O texto foi protocolado no Senado Federal esta semana e começará a tramitação para análise. A nanotecnologia consiste em produtos extremamente minúsculos, correspondente a milionésimos de milímetros, numa proporção do tamanho de uma laranja na comparação com o planeta Terra.

A proposta do senador catarinense busca conferir mais segurança jurídica à pesquisa e aos investimentos na produção de novos materiais através da nanotecnologia. Ela atua no desenvolvimento de materiais e componentes para diversas áreas de pesquisa como medicina, eletrônica, ciências, computação e engenharia de materiais.

De acordo com o Ministério da Ciência e Tecnologia, a nanotecnologia no Brasil movimenta em torno de apenas R$ 200 milhões, enquanto o mercado mundial é de R$ 5 trilhões. “É um mercado que o Brasil pode avançar muito e gerar mais empreendedorismo, distribuição de riquezas e empregos”, comentou o senador Jorginho Mello.

Com a segurança jurídica do Marco Legal, o Brasil também poderá aumentar a participação de pesquisa no mercado mundial. Segundo a publicação Web of Science, de 2017, a China é o país que mais produz ciência na área de nanotecnologia (24,4%), enquanto o Brasil está em 18º lugar, com 1,4% de participação na produção de conhecimento na área.

Mais da metade das empresas de nanotecnologia no Brasil estão fixadas em Santa Catarina, movimentam em torno de R$ 100 milhões e possuem um crescimento de 27%. O próprio senador Jorginho Mello quer reconhecer Florianópolis como a Capital Nacional da Nanotecnologia em projeto de lei protocolado no começo de fevereiro deste ano.

Redução de impostos

O parlamentar catarinense também protocolou projeto para baixar a cobrança de impostos para estudo, pesquisa e desenvolvimento de nanotecnologia. Atualmente, o setor paga de 15,5% a 20,5% de acordo com o faturamento, sendo que o limite é de R$ 1,8 milhão.

A proposta é de que o setor seja incluído no programa Super Simples, reduzindo a carga tributária de 6% a 33%, mas com limite de faturamento de até R$ 4,8 milhões. "Esta alteração fará com que surjam novas empresas dispostas a investir esforços nas pesquisas e desenvolvimento da nanotecnologia no Brasil", explicou Jorginho Mello.

Fonte: Assessoria de Imprensa Senador Jorginho Mello

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Notícias Relacionadas

Faça uma pesquisa​​

Ultimas notícias