Ministério Público, lamenta “a prática de fazer graça com a violência doméstica em opiniões veiculadas em ambiente virtual”/Foto: Internet
Ministério Público, lamenta “a prática de fazer graça com a violência doméstica em opiniões veiculadas em ambiente virtual”/Foto: Internet

Movimento MP Mulheres SC lamenta “prática de fazer graça com a violência doméstica”

Mais de 80 procuradoras e promotoras que atuam em Santa Catarina assinam a nota “Violência não tem graça”

Em nota divulgada nesta quarta-feira (2), o movimento MP Mulheres SC, composto por mais de 80 promotoras e procuradoras do Ministério Público, lamenta “a prática de fazer graça com a violência doméstica em opiniões veiculadas em ambiente virtual”.

Na nota “Violência não tem graça” as promotoras e procuradoras do MPF, do MPSC, do MP de Contas (MPC) e do MPT de todo o estado, esclarecem que a sociedade se disciplina através da linguagem e que as ideias que se proliferam indefinidamente, em especial nos meios virtuais, acabam por moldar a realidade. “Portanto, uma piada não é apenas uma piada, é a disseminação de uma forma de ver o mundo que se perpetuará e influenciará uma maior escala de comportamentos, quanto maior prestígio social ou institucional o emissor detiver.”

As promotoras e procuradoras do MPF, do MPSC, do MP de Contas (MPC) e do MPT de todo o estado, esclarecem que a sociedade se disciplina através da linguagem/Imagem: Secom – PGR


As membras dos MPs em Santa Catarina reconhecem que o humor é construído a partir de uma visão crítica do mundo e do comportamento humano. “Além de ser marcado pela descontração, o humor vale-se do exagero, da hipérbole, do óbvio e do absurdo para provocar o riso ou, ao menos, um sorriso. Mas não tem graça se esse humor está calcado em uma reiterada prática de abusos físicos e psicológicos em que um dos envolvidos acaba chorando, encurralado, desalentado, lesionado ou morto. Somos a sociedade do discurso e, ao banalizarmos a violência doméstica ou usarmos dela como meio de provocar riso transmitimos ideias, valores e comportamentos, mesmo que disfarçados no humor.”

O MP Mulheres SC afirma que não se furtará dessa discussão e que, “reiterando o seu objetivo de promover a igualdade de gênero e a valorização das mulheres dentro e fora das carreiras jurídicas, permanecerá atento às condutas e discursos dessa natureza e solidário a todas as mulheres, tendo sempre em vista que a não violência é uma mudança de atitude ética e consistente, para que não sejamos nós mantenedores e perpetuadores da violência”.

Leia a íntegra da nota

Fonte: Assessoria de Comunicação Ministério Público Federal em SC

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Notícias Relacionadas

Faça uma pesquisa​​

Ultimas notícias