Solidariedade aumentou exponencialmente
Solidariedade aumentou exponencialmente

Voluntariado no enfrentamento da Covid-19

Segundo a ONU, 1 bilhão de cidadãos doam seu tempo – e esse contingente está mais requisitado agora!

Neste momento de uma crise sanitária sem precedentes, em que os países enfrentam desafios no combate à pandemia do novo coronavírus, além dos heroicos profissionais da área de saúde, outro grupo se destaca: o das organizações da sociedade civil. Elas têm capitaneado o apoio de variadas frentes em favor dos mais vulneráveis, parte da população que sofre com o perigo da doença, mas também com a ameaça da fome.

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), os voluntários são frequentemente os primeiros a agir nessas ocasiões. Ainda segundo esse organismo internacional, todos os dias, cerca de um bilhão de cidadãos pelo mundo doam seu tempo e habilidades pelo semelhante, construindo, assim, uma sociedade mais justa e fraterna.

E foi com o apoio dos voluntários, que a Legião da Boa Vontade conseguiu entregar nessa pandemia, mais de 1 milhão de quilos de doações para cerca de 173 cidades em todas as regiões brasileiras, por meio da campanha SOS Calamidades. O resultado de conectar indivíduos por esses laços de Amor ao próximo e a transformação promovida pela iniciativa, não só na vida dos atendidos, mas também na daqueles que colaboram na atividade. O voluntariado é uma via de mão dupla, na qual todos ganham.

Para a assistente social Andrea da Hora Paulo, que atua na profissão em uma das localidades mais carentes do Rio de Janeiro/RJ, a comunidade da Vila Vintém, e que há um ano se juntou voluntariamente ao trabalho solidário da LBV, os fatos atuais possuem raízes antigas e também acarretarão desdobramentos relevantes para toda a humanidade. “O coronavírus trouxe uma luz sobre a questão da invisibilidade da pobreza e do subemprego. A pandemia só mostrou o que já existia no Brasil e no mundo”, afirmou ela.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 43% dos domicílios brasileiros receberam, em junho, algum tipo de benefício do governo relacionado à pandemia.

Segundo ela, “as famílias tiveram de se reajustar à nova ordem econômica mundial, e o trabalho em comunidade e o pensar no outro foram mais valorizados”. Andrea, que se aproximou da Instituição pelo programa Rede Sociedade Solidária, ressalta os aprendizados desde então: “É muito prazeroso doar energia e tempo. Ser voluntária na LBV, para mim, é desenvolver meus talentos, trocar experiências, ter contato humano, conviver e conhecer pessoas diferentes, ser útil e fazer amigos. Você cresce com a LBV, vê na prática o trabalho, a melhora de seu conhecimento. Isso é gratificante”.

A outra boa notícia para ela e para todos nós é que a Solidariedade aumentou exponencialmente, e, com esse compromisso, será possível ajudar a reduzir a imensa desigualdade no país e investir em projetos de sustentabilidade socioambiental. “Um grande legado é desenvolver políticas públicas na pós-crise. Temos de repensar [formas de melhorar] a qualidade de vida [das pessoas], diminuir a quantidade de emissão de gases e o efeito estufa e empoderar novos tipos de vida e de consumo”, disse a assistente social.

Por Leila Marco

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Notícias Relacionadas

Faça uma pesquisa​​

Ultimas notícias