Projeto Recuperar na SC-415
Projeto Recuperar na SC-415

Projeto Recuperar avança com manutenção de rodovias no Norte e Meio-Oeste de SC

O Programa Recuperar começa a dar os primeiros sinais de efetividade

As máquinas já estão na pista. Lançado neste ano pelo Governo de Santa Catarina, o Projeto Recuperar avança com o início dos trabalhos de recuperação das estradas estaduais por meio do modelo de parceria com consórcios interfederativos. Desde o fim de novembro, trabalhadores contratados pelo Cincatarina realizam operações de recuperação asfáltica no Norte e Meio-Oeste catarinense, em rodovias como a SC-415, em São Francisco do Sul, a SC-350, em Caçador e Águas Mornas, e SC-120, em Lebon Régis.

“O Programa Recuperar começa a dar os primeiros sinais de efetividade. Agora, os consórcios municipais que aderiram a esse programa do Governo do Estado começam a receber a atenção das máquinas. E o melhor de tudo: trata-se de uma intervenção com muito mais qualidade do que se fazia antes. É um trabalho que, apesar de emergencial, vai ter uma durabilidade muito maior, com o recorte no asfalto e a colocação de uma base”, explica o governador Carlos Moisés.

Operários em ação

Às margens da SC-415, em São Francisco do Sul, o panificador Adriel Alexandre Dias observa o trabalho dos homens e máquinas. Primeiro, os trabalhadores removem a camada de asfalto danificada. Em seguida, o asfalto quente é colocado, compactado e fresado. Dias conta que, embora aguarde por uma revitalização completa da rodovia, a comunidade do bairro da Reta tem avaliado positivamente o trabalho realizado até aqui.

“Tudo que vem para beneficiar o que não está bom é salutar. Será bom para o município e para quem usa a rodovia essa parceria com o Governo. A gente fica até um pouco espantado com a rapidez que a empresa veio para realizar o serviço, atendendo ao pedido da comunidade”, relata Dias.

Duas empresas contratadas atuam no local, uma para executar a obra e outra para fiscalizar. Na SC-415, o trecho a ser recuperado tem uma extensão total de 10 quilômetros, e o fiscal responsável é Edson Manoel de Farias. Além de acompanhar in loco a recuperação da rodovia, ele também realiza o levantamento que precede a operação em si.

“Nós percorremos a estrada e fazemos um levantamento fotográfico. Em um relatório, marcamos o diâmetro dos buracos e fazemos a marcação dos cortes. Em seguida, isso é levado para o nosso setor de engenharia. Por fim, retornamos ao trecho para acompanhar o trabalho da empreiteira, ver se tudo está correto. O objetivo de todo esse processo é fazer um serviço dentro das normas e bom para quem trafega aqui”.

Ainda segundo Farias, o trabalho realizado pelo Programa Recuperar é com asfalto quente, ao contrário do que era realizado anteriormente. Essa técnica proporciona uma maior durabilidade, com a retirada completa do piso danificado com infiltrações e buracos.

Próximos trabalhos

Além das SCs 350 e 415, o Cincatarina dará início aos trabalhos até a próxima semana na SC-284, em Campos Novos, e na SC-390, em Zortéa, com recuperação asfáltica, limpeza de sarjeta e roçada. Na SC-390, em Celso Ramos, está autorizada a manutenção emergencial da rodovia não pavimentada.

No total, cerca de 600 quilômetros de estradas já foram mapeados pelo consórcio e devem receber intervenção em breve. É o caso das SCs 416 (Itapoá), 417 (Garuva / Itapoá), 452 (Monte Carlo/Fraiburgo), 452 (Abdon Batista / Anita Garibaldi), 452 (Vargem / Abdon Batista), 355 (Lebon Régis / Fraiburgo), 355 (Fraiburgo / Videira), 284 (Campos Novos), 135 (Celso Ramos), 135 (Caçador / Matos Costa), 135 (Matos Costa / Porto União), 390 (Zortéa), 390 (BR-470 a Brunópolis), 390 (Celso Ramos / Anita Garibaldi), 155 (Xanxerê / Xavantina) e 455 (Macieira).

Como funciona o projeto

O Projeto Recuperar é um modelo de cooperação inovador e mais econômico para manutenção de rodovias estaduais por meio da parceria com consórcios interfederativos. O Governo do Estado repassa os recursos para a execução dos trabalhos, e as associações de municípios – ligadas aos consórcios – apontam os trechos e os serviços prioritários. O chefe da Casa Civil, Douglas Borba, reforça que o Recuperar não delega a competência das estradas para os municípios e que o Estado segue com suas responsabilidades jurídicas sobre as rodovias.

De acordo com o Cincatarina, já nos primeiros editais para execução do projeto, foi possível alcançar uma economia de cerca de 32% no valor estimado para os serviços. Os investimentos também são maiores. A partir do ano que vem, a previsão é que o projeto receba R$ 120 milhões por ano, o que representa um crescimento de 124% em relação aos R$ 53,5 milhões aplicados em 2018.

Grande parte do Estado já aderiu ao Recuperar. Atualmente, nove consórcios integram a iniciativa, abrangendo 15 associações de municípios. A parceria alcança cerca de 4 mil quilômetros de malha rodoviária estadual — Santa Catarina tem 6 mil quilômetros de estradas estaduais.

“Queremos que todas as 265 cidades que possuem estradas estaduais em Santa Catarina façam parte e se beneficiem deste projeto, possibilitando essa ação em âmbito local e dando agilidade e economia aos cofres públicos”, salientou Borba.

Fonte: Assessoria de Comunicação Casa Civil

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Notícias Relacionadas

Faça uma pesquisa​​

Ultimas notícias