A proposta se entende a débitos vencidos até 30 de setembro
A proposta se entende a débitos vencidos até 30 de setembro

Projeto do senador Jorginho Mello pretende regularizar dívidas de empresas no Simples Nacional

A proposta se entende a débitos vencidos até 30 de setembro, em modalidades que combinam pagamento à vista e parcelamentos de até 175 prestações

O senador catarinense Jorginho Mello (PL) apresentou ao Senado Federal o projeto de lei complementar PLP 224/2020 que cria o Programa de Renegociação Extraordinária de Dívidas do Simples Nacional (Prex-SN) para micro e pequenas empresas que aderiram ao regime de tributação.

A proposta se entende a débitos vencidos até 30 de setembro, em modalidades que combinam pagamento à vista e parcelamentos que podem ser estendidas de 90 até 175 prestações; também inclui débitos que são objetos de transação tributária ou parcelamentos anteriores rescindidos ou ativos, em discussão administrativa ou judicial, ou ainda provenientes de lançamentos de ofício referentes a fatos geradores ocorridos até 31 de agosto deste ano.

O programa propõe conceder reduções de taxas moratórias e descontos para os contribuintes que estão com débitos, mas que possuem uma postura de responsabilidade com a administração pública: aqueles que entraram em débitos por crise financeira e não por negligência, de bom histórico.

O projeto parte da preocupação do autor, Jorginho Mello, com o cenário fiscal em que as micro e pequenas empresa e empresas de pequeno porte se encontram em meio a pandemia, já que é o grande motor da empregabilidade.

O catarinense entende que o momento pede cuidado com os micro e pequenos. Além disso, ele vê também que a proposta é um incremento ao Pronampe para o setor, programa também da autoria de Jorginho.

– É preciso que a gente cuide das micro e pequenas empresa do Brasil, pois são elas quem garantem o emprego de verdade. A grande empresa mexe com o PIB e a micro e pequena mexe com o emprego direto. É por isso que eu fiz esse projeto, afinal nós precisamos levar ajuda a esses empreendedores que estão na iminência de fechar as portas. Esse é mais um projeto para ajudar. O Pronampe, crédito barato e a longo prazo para micro e pequenos, é um sucesso e agora vamos auxiliar na questão fiscal, que também ficou comprometida com a pandemia – afirmou.

Já antevendo questionamentos que envolvem a Lei de Responsabilidade Fiscal e a perda de receitas por parte do governo federal, Jorginho esclareceu que a medida vem como resposta ao combate dos efeitos da pandemia e que a legislação que estabeleceu o estado de calamidade pública, reconhecido pelo Congresso Nacional em março, prevê a dispensa de cumprimentos fiscais.

Fonte: Assessoria de Imprensa Senador Jorginho Mello

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Notícias Relacionadas

Faça uma pesquisa​​

Ultimas notícias