A gente tem que facilitar
A gente tem que facilitar

Bolsonaro sanciona Pronampe, projeto de autoria do Senador Jorginho Mello

A lei que concede uma linha de crédito especial para pequenas e microempresas

De autoria do senador Jorginho Mello (PL-SC), a lei 13.999 foi sancionado pelo Presidente Jair Bolsonaro. A lei que concede uma linha de crédito especial para pequenas e microempresas e pode garantir mais de 20 milhões de empregos.

“A gente tem que facilitar, desburocratizar, esse é o objetivo da nossa lei”, ressaltou Jorginho Mello, líder da Frente Parlamentar Mista da Micro e Pequena Empresa.

A intenção da proposta é garantir recursos para as empresas e manter os empregos durante o período de calamidade pública decorrente da pandemia do coronavírus. De acordo o substitutivo, em vez de a União fazer repasses diretamente aos bancos para cada operação de empréstimo, será concedida uma garantia de até 85% do valor emprestado. O limite global da garantia para todos os empréstimos será de R$ 15,9 bilhões, por meio do Fundo Garantidor de Operações (FGO-BB), a ser gerido pelo Banco do Brasil. 

O presidente da Fampesc ressaltou a importância do projeto no atual momento. “A lei Jorginho Mello traz uma alternativa para os pequenos, que até agora, em meio à pandemia, ninguém tinha oferecido”, afirmou Alcides Andrade.

Resumo:
PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

PRONAMPE – LEI Nº 13.999, DE 18 DE MAIO DE 2020

O Pronampe, programa criado por projeto de lei de autoria do Senador Jorginho Mello, tem o objetivo de conceder crédito mais barato para o micro e pequeno empresário:

O faturamento da Microempresa deve ser de até R$ 360 mil por ano; e As pequenas empresas devem ter faturamento anual entre R$ 360 mil e R$ 4,8 milhões.

ENTENDA O PROJETO DE AUTORIA DO SENADOR JORGINHO MELLO:

VALOR:  A União irá disponibilizar R$ 15,9 milhões em garantia para as linhas de crédito.

GARANTIA: Será exigida apenas a garantia pessoal do proponente em montante igual ao empréstimo contratado, acrescidos dos encargos. No caso de empresas em funcionamento há menos de um ano, a garantia pessoal poderá alcançar até 150% do valor contratado, mais acréscimos.

LIMITE DE EMPRÉSTIMO ESTIPULADO:  30% do faturamento anual de 2019. No caso das empresas com um ano de funcionamento, o limite de empréstimo poderá ser de até 50% do seu capital social ou até 30% da média de seu faturamento men sal apurado desde o início de suas atividades, o que for mais vantajoso.

OPERAÇÃO: Todas as instituições financeiras públicas e privadas autorizadas a funcionar pelo Banco Central poderão operar a linha de crédito.

RECURSOS:  As instituições financeiras vão operar com recursos próprios e poderão contar com garantia da União limitada a 85% do valor de cada operação em caso de calote da empresa.

CONTRAPARTIDA: Empresas interessadas no crédito terão que manter pelo menos a mesma quantidade de funcionários desde a data de entrada em vigor da lei até 60 dias após o recebimento da última parcela do financiamento.

PRAZO DE ADESÃO: Os bancos e instituições financeiras terão até seis meses, após a entrada em vigor da lei, para formalizar as operações de crédito. Objetivo é que seja implantando o mais rápido possível.

PRAZO DE PAGAMENTO: As empresas terão até 36 meses para fazer o pagamento.

JUROS: A taxa de juros máxima será igual à Taxa Selic, acrescida de 1,25% a.a sobre o valor concedido.

ADMINISTRAÇÃO: A responsabilidade pela administração do programa será da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia.

TRECHOS VETADOS PELO PRESIDENTE:

PRORROGAÇÃO: O parecer da Câmara também incluiu a prorrogação por 180 dias para pagamento das parcelas mensais dos parcelamentos, ordinários ou especiais, junto à Secretaria da Receita Federal do Brasil e à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional.

CARÊNCIA: O prazo de carência para começar a pagar o empréstimo é de oito meses, contados da formalização da operação de crédito. 

CRITÉRIO: As instituições financeiras não poderão negar o empréstimo com base na existência de anotações de restrição ao crédito por parte da empresa, inclusive protesto.

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Notícias Relacionadas

Faça uma pesquisa​​

Ultimas notícias