1226152513_01

A Relevância Da Arte Na Formação Do Educador V

Jor. Adelcio Machado dos Santos (MT/SC nº 4155 - JP) - Diretor da Associação Catarinense de Imprensa (ACI)

Ao se considerar os estilos no campo da arte, é possível observar que a atividade artística se condensa em formas essenciais, dotadas de um dinamismo próprio, desenrolando seu curso temporal efetivo, com um segundo processo histórico, que intercepta as linhas da história social e cultural, sem com elas se confundir.

O desenvolvimento das artes plásticas (escultura, arquitetura, pintura) estaria regido por determinadas categorias estilísticas, correspondentes a certos modos definidos de visão artística, comuns, num período que se recorta no tempo específico desse desenvolvimento, à pintura, à escultura e à arquitetura.

Assim, de acordo com Nunes (2003), em um determinado período  as artes plásticas, por exemplo, refletem categorias visuais comuns que informam um tipo de visão artística.

O desenvolvimento das artes processa-se como uma alternância entre categorias visuais, conforme a passagem de uma outra modalidade de visão.

Em suma, emergindo da vida histórica, as formas artísticas têm uma natureza dúplice: são temporais e intemporais.

O estilo gótico, à guisa de exemplo, é inatural em relação à época atual. O mundo social e histórico que o gerou, com a concepção religiosa que o definiu espiritualmente, não mais existe.

Todavia, esse mundo perdido pode atualizar-se na experiência estética – que transcorre no presente e que não é um retorno ao passado, ao se contemplar um exemplar autêntico, representativo desse estilo.

Com isso, percebe-se que, contendo um duplo status, atual e inatual, as formas que dependem do tempo, libertam-se dele; surgem da história, mas a transcendem, pois, como obras de arte, criadas individualmente, existem no plano intersubjetivo das consciências que as descobrem e valorizam, renovando o seu sentido e sustentando a sua autonomia intemporal.

O entendimento dessa dupla temporalidade da arte requer uma educação voltada para a compreensão de sua importância no desenvolvimento da história.

A alfabetização não se obtém por meio da simples atividade de junção das letras pelas crianças. Segundo Barbosa (2002), há uma alfabetização cultural sem a qual a letra pouco significa. É a leitura social, cultural e estética do meio ambiente que é responsável por atribuir sentido ao mundo da leitura verbal

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Notícias Relacionadas

Faça uma pesquisa

Ultimas notícias