O programa é destinado a médios produtores rurais
O programa é destinado a médios produtores rurais

Agricultura familiar: Aprovado prorrogação por um ano das dívidas dos agricultores

O projeto é destinado às operações de crédito rural concedidas a produtores cujas atividades tenham sido prejudicadas pela crise do novo coronavírus

O Senado aprovou nesta terça-feira (26) por 74 votos a favor e uma abstenção um projeto que autoriza os bancos a prorrogarem por um ano o vencimento das dívidas dos agricultores familiares. O texto segue agora para a Câmara dos Deputados.

O projeto é destinado às operações de crédito rural concedidas a produtores cujas atividades tenham sido prejudicadas pela crise do novo coronavírus. Segundo o texto, serão contempladas as parcelas vencidas ou com vencimento entre 1º de janeiro e 31 de dezembro deste ano.

O relator, senador Zequinha Marinho (PSC-PA), disse durante a votação, em sessão virtual, que o benefício só valerá para agricultura familiar e para os casos de reforma agrária.

Ele explicou ainda que todas as condições do contrato, mesmo com o adiamento da quitação dos débitos, serão mantidas "independentemente da fonte do recurso" do empréstimo.

O projeto prevê que esse adiamento da cobrança dos débitos vai incluir também os créditos concedidos pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

O Pronaf proporciona o financiamento para modernização da estrutura de produção, como, por exemplo, a construção, reforma ou ampliação de instalações.

O programa é destinado a médios produtores rurais, posseiros ou arrendatários que tenham renda bruta anual de até R$ 2 milhões, da qual, no mínimo, 80% deve vir da atividade agropecuária ou da extração de produtos vegetais.

A taxa de juros é de 6% ao ano. As parcelas podem ser pagas num prazo de oito anos, incluindo os três de carência.

O programa é operado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O financiamento pode chegar a R$ 430 mil para empreendimento individual e a R$ 20 milhões para o coletivo.

Pela proposta, não poderá ser aplicada multa sobre o saldo devedor nem punição pela falta de pagamento, desde que a inadimplência do produtor tenha ocorrido apenas neste ano.

"Não incidirá Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguros (IOF) na prorrogação das dívidas rurais", determina o projeto.

O texto estabelece que a prorrogação das operações de crédito não poderá implicar limitações para novos financiamentos do Plano Safra 2020-2021.

Esse ponto consiste em um incentivo, dado pelo governo federal, aos produtores rurais, inclusive os grandes proprietários de terras, para garantir investimentos, preço rentável e comercialização dos produtos. O Plano Safra 2019/2020 contou com R$ 225,59 bilhões reservados pelo governo.

A senadora Kátia Abreu (PP-TO) criticou a recusa de uma emenda (proposta de alteração do texto), que propôs ao relator. Ela sugeriu que todos os produtores rurais fossem beneficiados com o adiamento das dívidas e que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento definisse por portaria quais cadeias produtivas poderiam ser contempladas.

A parlamentar disse que vai conversar com o deputado que será relator da proposta na Câmara (ainda não indicado), para mudar esse ponto do texto.

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Notícias Relacionadas

Faça uma pesquisa​​

Ultimas notícias