A projeção é que nas próximas duas safras cresça o número de adeptos às compras online/Foto: Divulgação Internet
A projeção é que nas próximas duas safras cresça o número de adeptos às compras online/Foto: Divulgação Internet

Agricultor brasileiro é mais digitalizado do que o norte-americano

O levantamento foi feito antes da pandemia da Covid-19

Um estudo realizado pela MCKinsey Consultoria mostrou que o agricultor brasileiro é mais antenado em tecnologia do que produtores  norte-americanos. No Brasil, 36% dos pesquisados fazem compras online para a fazenda, contra 24% nos Estados Unidos.

O levantamento foi feito antes da pandemia da Covid-19, ou seja, não sofrendo impacto referente às compras online, por exemplo, que atualmente cresceram devido a necessidade pelo isolamento social e o comércio fechado.

Para Nelson Ferreira, sócio-sênior da MCKinsey, um dos principais fatores identificados na pesquisa é que o agricultor brasileiro tem um perfil mais jovem e aberto à mudanças. Outro ponto é que ter mais de uma safra ao ano possibilita um maior investimento na propriedade. “O conjunto desses fatores explica por que que ele [brasileiro] é mais digitalizado, além do que, o consumidor brasileiro em vários setores, tanto rural como urbano, ele é tipicamente mais digitalizado do que o americano”, comentou.

O estudo mostrou que a maior preocupação dos clientes na comercialização feita pela internet é com a garantia da compra. “O agricultor tem muita preocupação com a segurança, tanto a segurança de receber o produto, quanto à segurança cibernética do site ou do aplicativo pelo qual ele faz a transação”.

A projeção é que nas próximas duas safras cresça o número de adeptos às compras online, já que 33% do total de agricultores pesquisados estão dispostos a pedir sementes, fertilizantes e defensivos agrícolas pela internet. “Essa é uma grande oportunidade para as empresas do setor investirem e se desenvolverem, porque existe esse apetite pelos canais digitais e agora, em função da crise da Covid, a gente tem uma nova geração que está experimentando”, acrescentou Ferreira.

A pesquisa observou ainda uma mudança em relação a algumas práticas entre os produtores, como, por exemplo, a fidelidade a marca do produto. “Nós percebemos que essa nova geração de agricultores, em todas as regiões do Brasil, porém, mais particularmente, no Cerrado e nos estados do Nordeste, eles são menos fiéis a marcas. São agricultores mais sofisticados, mais transacionais. Eles valorizam mais o preço, a qualidade agronômica daquele produto, do que, necessariamente, a marca que aquele produto possui”.

O principal motivo que alterou os hábitos na propriedade é que o perfil de produtores passou a ser mais jovem e com uma graduação maior. “Essa é uma mudança que está totalmente relacionada a essa mudança de geração que aconteceu com os agricultores e o maior grau de sofisticação que eles possuem”,  finalizou.

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Notícias Relacionadas

Faça uma pesquisa​​

Ultimas notícias